Galopando na saudade
Zilca  P. Tricerri



Meus olhos  seguem caminhos
 Obscuros e indefinidos...
Observando cada canto de
 Um vazio gelado da brisa, enxergam o
 Que não é visível, sonhando com
 O imaginável, brilham na escuridão da
 Ilusão, na esperança  inatingível
Galopa pelos campos da saudade
 Nas asas do pensamento e no seu
 Profundo silêncio,  fala  de sentimentos
 Que lentamente chegam às janelas da lua,
 E  vê a tua sombra flutuar ao meu redor,
Com aquele sorriso ternura, que inebria
Meu coração, com a luz da tua paz
Tento te tocar, mas minhas mãos
Não encontram as tuas... que
 Tantas vezes me fizeram segura e
 Feliz... por isso, bendigo a imaginação
 Através dela, vivo o amor contigo
No jardim da minha alma!



Zilca Tricerri