Uma breve reflexão sobre o aborto
 
Leis são produtos de uma cultura.
No Oriente Médio muçulmano
 mulheres infiéis ou suspeitas de
 infidelidade, são condenadas à morte
 por apedrejamento, é a lei. Na
África subsaariana, onde predominam
 as religiões tribais, o clitóris da
mulher é amputado, é a lei,
 mulher não pode sentir prazer,
somente o homem pode.
 No mundo ocidental "esclarecido",
 judaico - cristão - ateu- agnóstico
 o aborto é proibido. Eu como
 ocidental, portanto sujeito a influência
 da minha cultura, sou parcialmente
 a favor do aborto, como
 nos casos de esturpo, gravidez de
risco e de feto anencéfalo.
 Alguns mais ortodoxos diriam:
é um crime contra a vida, contra Deus
 e uma imoralidade. Mas pergunto
 não é uma imoralidade maior o estupro?
 E Deus que é onipotente, onisciente
 e onipresente, portanto
 sabe e pode tudo, porque permitir
o estupro, o risco de vida da mãe
 que pode matar esta e seu filho, e
a gravidez de um feto sem cérebro,
 portanto sem "alma".
 Alguns dirão que não devemos
questionar os desígnios de Deus
 pois são um mistério para nós. Para
estes eu digo que enquanto
 estamos desamparados e a mercê de
 nós próprios, devemos nos virar
 por nossa conta, e legislar pelo bom
senso. Cabe ao Estado
 a garantia de todos os indivíduos
assegurando os seus direitos.
 Mas como eu disse sou parcialmente a
 favor do aborto. Não  concordo com
a matança de bebês por pura
irresponsabilidade da mãe.
 Esta deve tomar as precauções necessárias.
 
Marco Antonio